Total de visualizações de página

sexta-feira, 10 de junho de 2011

MURMURAÇÃO X ORAÇÃO


Abra sua Bíblia e leia os textos que se encontram em Números 11:1-20, 31-34.
As pessoas têm reações diferentes diante das diversas situações que ocorrem no dia-a-dia, conforme as características de cada um. Vamos destacar duas das principais reações, que fazem muita diferença na qualidade de vida e na espiritualidade saudável: a murmuração e a oração.
Essas duas reações estão presentes do nosso texto base, e as consequências de se adotar uma ou outra também estão muito claras na passagem bíblica.
1) Murmuração (v. 1; 4-6)
Murmuração é reclamação, insatisfação, resmungos e revolta.
Nos versículos 1 e 4-6 encontramos um exemplo bastante contundente de murmuração. Ali está o povo de Israel reclamando contra Moisés e Deus, julgando que sua situação era melhor quando escravo no Egito do que agora, que estavam prestes a entrar na terra prometida,
Para refrescar a sua memória, cabe lembrar que Israel viveu em escravidão no Egito por 400 anos, sofrendo uma terrível repressão, com açoites e maus tratos constantes. Deus ouviu o clamor de Seu povo e enviou Moisés e Arão para libertá-lo. Esse objetivo foi alcançado após várias demonstrações do ilimitado poder de Deus, vindo as conhecidas dez pragas do Egito. Logo depois da libertação, Deus continuou demonstrando Seu poder e protegendo Seu povo. Ele abriu o Mar Vermelho para que Israel passasse a pés secos, e fez o Mar se fechar engolindo o exército egípcio. Deus enviou a nuvem que protegeu o povo do calor do sol, e também as colunas de fogo que evitaram que o povo morresse de frio. Leia o Livro do Êxodo e você verá quantas maravilhas Deus fez em favor de Israel.Mas para Israel nada disso era suficiente. Tudo quanto Deus fez era esquecido rapidamente diante de algum problema que surgia. E lá vinham as reclamações, os choros, os lamentos. Agora, Israel estava reclamando com saudades das comidas do Egito, e o alimento enviado por Deus, o maná, já era tido como algo desprezível, que não atendia aos desejos do povo.
Vejamos algumas características da murmuração:

a) É um sinal de ingratidão para com Deus
Deus fez coisas maravilhosas em favor de Israel, mas tudo isso era esquecido quando havia um problema, por menor que fosse. Era como se Deus precisasse fazer prodígios a cada minuto para manter a memória do povo fresca, caso contrário eles esqueciam tudo.
A murmuração nos impede de enxergar as bênçãos de Deus, pois nossos olhos ficam fixos em coisas transitórias, em situações que trazem alguma aflição temporária, e esquecemos de agradecer por tudo o que Deus faz por nós continuamente.
Há muitos crentes que passam o tempo todo reclamando. Reclamam do trabalho, da esposa, do marido, dos filhos, do alimento, da saúde, da casa, do carro, do tempo, da Igreja, dos irmãos da Igreja, do som da Igreja, etc. Essas pessoas não conseguem parar para agradecer a Deus por lhes conceder vida, pelo ar que respiram, não enxergam a bênção que é poder andar, falar, ver, ouvir e sentir. Ficam cegas para a bênção do trabalho e do sustento diário. Não conseguem lembrar de livramentos que o Senhor lhes concedeu. Esquecem aquela cura que parecia impossível, aquela porta de emprego que foi aberta quando parecia que não havia mais opções. A murmuração impede que os pais agradeçam a Deus por terem filhos saudáveis, ativos, e faz com que os filhos esqueçam a bênção que é ter pais responsáveis, que se preocupam com sua educação, com seu bem estar, que anseiam por lhes dar proteção e lhes ensinar coisas excelentes.
O murmurador não busca a Deus, antes, ele vive reclamando contra Deus. Quando ele diz que ora, na verdade está fazendo o que Israel fez, que é chorar por coisas pequenas e esquecer de agradecer pelas grandes bênçãos.

b) Murmuração é rejeição a Deus (v. 20)
No versículo 20 vemos uma declaração bastante pesada: com sua atitude de murmuração, Israel estava rejeitando a Deus, pois considerava melhor sua vida de escravidão no Egito do que a liberdade com Deus.
Quantas vezes rejeitamos a Deus sem nos dar conta disso! Nossas constantes reclamações demonstram que não estamos satisfeitos, e que Deus não é suficiente para nós, queremos mais. O que Deus nos oferece é pouco, nossa ambição é por coisas “maiores e melhores”, embora isso seja uma ilusão.
Há crentes que chegam a dizer que quando eram incrédulos, sem fé em Deus, escravos do pecado, não tinham tantos problemas, e suas vidas eram melhores, sentiam-se mais felizes e realizados.
Isso é uma clara rejeição a Deus e a tudo quanto Ele nos oferece.
Reflita um pouco e veja se você não tem rejeitado a Deus todos os dias, com murmurações constantes em vez de ações de graças

c) Murmuração provoca a ira de Deus (v. 1; 19-20; 33)
Leia de novo os versículos acima indicados e veja as graves consequências da murmuração. No primeiro, o fogo do Senhor ardeu no arraial e consumiu parte do povo. Nos versículos 19-20 Deus resolve dar o que o povo está pedindo, mas já que há tanta ânsia por obter essas coisas, elas vêm em tão grande quantidade que vão fazer muito mal. No versículo 33 vemos que, após dar ao povo o que este pedia, Deus enviou uma praga sobre ele, e o povo nem aproveitou a carne que havia sido enviada.
Pense bem antes de viver murmurando. Deus se agrada de um coração grato, mas sua ira se acende contra o coração rebelde, que não faz outra coisa senão provocar o Senhor com murmurações e mais murmurações.
Suas reclamações podem chegar a Deus e Ele pode conceder aquilo que você está pedindo com tanta insistência, mas será que você conseguirá usufruir disso que acha ser algo bom? Deus sabe o que é bom ou não, mas nós apenas presumimos o que seja bom. Por vezes estamos pedindo coisas que nos farão muito mal, e Deus não concede porque quer nosso bem, mas nossa murmuração pode levar Deus a atender nossas reclamações, e só depois é que vamos nos dar conta de que estávamos errados.
Cuidado com suas reclamações, pois se elas forem atendidas você pode não aguentar. Não queira atrair a ira de Deus para sua vida, porque Israel não suportou essa ira, e nem nós temos estrutura para a suportar.

2) Oração (v. 2; 11-15)
Enquanto o povo murmurava, Moisés orava a Deus. É engraçado que, à primeira vista, parece que Moisés também está murmurando, pois ele faz uma queixa e diz que não está mais aguentando, todavia, o que ele apresenta diante de Deus não é murmuração, e sim oração autêntica.
Características da oração:

a) Diálogo sincero com Deus
Moisés era um homem que estava sempre conversando com Deus, e isto foi gerando uma intimidade, de forma que ele sentia liberdade para expor a Deus os seus anseios, suas preocupações, pedir orientações e interceder pelo povo.
Quando Moisés conversou com Deus, após as reclamações do povo, ele simplesmente abriu seu coração diante do Pai, com quem ele tinha excelente relacionamento, e foi sincero ao dizer que considerava muito pesado o fardo que estava sobre suas costas, pois havia sido encarregado de liderar um povo de coração duro, que não fazia outra coisa senão murmurar.
Por que Deus não se zangou com Moisés? Simplesmente porque Moisés não estava murmurando, ele estava demonstrando sua amizade por Deus ao levar a Ele o que se passava em seu coração.
Em nossas orações devemos abrir nosso coração a Deus, fazendo a Ele com sinceridade sobre nossos problemas reais (não aqueles que criamos com nossa ambição). Nossos sentimentos devem ser postos diante de Deus com toda reverência, crendo que Ele é nosso Pai e nosso melhor Amigo, e está pronto a nos ouvir a qualquer momento.
Diga a Deus o que você está sentindo, mas faça-o como fez Moisés. Veja no próximo tópico porque o diálogo de Moisés com Deus não era murmuração, e sim oração, e procure seguir o exemplo desse homem de fé.

b) Oração é busca ao Senhor em fé
Qual a diferença entre a oração de Moisés e a murmuração de Israel. Note que em ambos os casos há uma reclamação! A diferença é que o povo reclamava entre si, um incitando o outro contra Deus e contra o líder escolhido por Deus, Moisés. A reclamação de Israel era de insatisfação com Deus e desprezo por suas bênçãos. Já Moisés, em vez de sair reclamando com as pessoas, ou procurar um amigo mais chegado dentre o povo e começar a se lamentar e fazer que Deus estava agindo mal com ele, colocando sobre suas costas uma carga muito pesada, retirou-se e foi conversar diretamente com Deus. Por que Moisés fez isso? Simples: ele cria em Deus e tinha confiança de que, levando a Deus sua petição, receberia uma resposta. Moisés sabia que não possuía meios de atender ao povo, portanto, era necessário recorrer a Quem poderia fazê-lo.
Se você está passando por situações que lhe causam aflição, tribulações que parecem ser grandes demais; se está enfrentando gigantes e se julga pequeno demais para prevalecer; se você acha que as pessoas estão exigindo mais do que você pode dar; se você se julga injustiçado, desprezado, incompreendido; enfim, se algo não está bem em sua vida e você está muito aflito, sem ver perspectivas, não saia reclamando com um e com outro. Não fique expondo seus anseios a pessoas enquanto espera na fila do banco. Não tente levar as pessoas ficarem com pena de você. Não ocupe o tempo das pessoas com suas reclamações, como se isso fosse capaz de fazer surgir uma solução para o problema. Lembre-se: os outros são seres humanos como você, fracos, falhos, e vez ou outra até podem dar algum bom conselho, principalmente se forem tementes a Deus, mas na maioria das vezes você só conseguirá aumentar sua amargura e se tornar uma pessoa chata aos olhos dos outros.
Faça como Moisés: recolha-se ao seu quarto e vá conversar com Deus. Reconheça sua incapacidade de gerir sua própria vida, de superar os obstáculos com a própria força, e diga a Deus que precisa dEle, porque não está conseguindo mais caminhar com esse fardo nas costas.
A Bíblia nos recomenda isso em 1 Pedro 5.7: “Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós”.

C) Oração gera resposta positiva de Deus
Enquanto a murmuração do povo gerou uma resposta negativa da parte de Deus, a oração de Moisés gerou uma resposta positiva. Deus viu a sinceridade de Moisés, viu que o servo confiava unicamente nEle para obter uma solução, e que realmente Moisés não estava exagerando o problema, antes, estava expondo a Deus o que de fato acontecia.
Diante da humildade de Moisés, que reconhecer se incapaz de cuidar do povo sozinho, Deus lhe atendeu a petição e ordenou que fossem escolhidos setenta homens para auxiliá-lo, e eles receberiam do Espírito de Deus para agir com sabedoria e para dividir a carga com Moisés.
Quando oramos com sinceridade e humildade, Deus atende nossas petições. Por vezes pode até não fazer o que estamos pedindo. No caso de Moisés, Deus não fez o que ele pediu. Moisés pediu a morte, tão grande era sua aflição. Em vez de lhe enviar a morte, Deus lhe concedeu auxílio para prosseguir sua jornada. Em resumo, Deus estava dizendo a Moisés que sabia do peso que ele estava carregando, e que, por sua obediência, sinceridade e humildade, tornaria mais leve o seu fardo, trazendo pessoas que pudessem lhe servir de suporte.
Por vezes nossas pernas fraquejam a quase caímos, nossos braços se tornam fracos e não conseguimos lutar como deveríamos, mas Deus, quando oramos em busca de Seu socorro, nos envia auxílio, fortalece nosso corpo e nossa mente, providencia pessoas que compartilhem conosco as cargas.
Na Igreja, deveria ser assim: uns levando as cargas dos outros, pois dessa forma todos se animariam mutuamente e prosseguiriam firmes rumo ao alvo (Gálatas 6.2).

Conclusão
Murmuração é o mesmo que rebeldia, e rebeldia é o mesmo que pecado de feitiçaria (1 Samuel 15.23). Viva sem murmurações (Filipenses 2.4; 1 Coríntios 10.10).
Oração é a chave da vitória, do crescimento espiritual, do avivamento.
Jesus é o amigo fiel que nos ajuda a carregar nossos fardos.

“Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.” (Mateus 11.28-30)
Vá até Jesus e entregue a Ele o fardo pesado que está sobre suas costas. Veja que diferença isso vai fazer na sua vida. Não fique aí pensando, faça isso o mais rápido possível, e caminhe em liberdade, fortalecido no Senhor.
Que Jesus Cristo seja seu companheiro de caminhada hoje e sempre. Amém
Em Cristo,com amor

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Follow by Email

PREGAÇÕES EM DVD

PRESENTEIE A QUEM VOCÊ AMA,EVANGELIZANDO COM AS MENSAGENS DOS NOSSOS CULTOS,FAÇA SEU PEDIDO ATRAVÉS DO NOSSO SITE www.igrejacvv.com.br. PARTICIPE DO NOSSO MINISTÉRIO!

ACESSE NOSSO SITE

www.igrejacvv.com.br E ASSISTA CULTOS ON LINE

Sobre nós

A Igreja Pentecostal Caminho, Verdade e Vida é uma instituição inspirada por DEUS para alcançar os corações das ovelhas perdidas da casa de Israel por toda a face da terra.
Com o evento da criação do Ministério Caminho, Verdade e Vida, o Senhor JESUS revelou ao coração do presidente Pastor Gilberto Luiz Chaves o seguimento das três portas do Santuário que Moisés realizava para a adoração do SENHOR DEUS durante o trajeto do êxodo do povo de Israel pelo deserto.
O santuário era composto com três seções para adoração, onde uma delas apenas ao sumo sacerdote era permitido pelo poderoso DEUS adentrar em adoração; A cada seção do santuário havia uma porta .
Hoje com a Graça de DEUS através de seu filho unigênito JESUS CRISTO, essas portas foram substituídas pela GRAÇA DE CRISTO QUE LEVOU SOBRE SI AS NOSSAS DORES E AFLIÇÕES, e a cada porta daquele santuário de outrora, hoje conhecemos que a 1ª porta do santuário é o CAMINHO, a 2ª porta do santuário é a VERDADE, finalmente a 3ª porta do Santuário é a VIDA.
Assim, JESUS é o Caminho e a Verdade e a Vida, como diz no Evangelho de João 14: 6, o santuário vivo do Poderoso DEUS, onde toda a adoração é devida a ele, pois, diz a sua palavra:
“Ninguém vem ao Pai senão por mim”
Desta forma Pastor Gilberto Luiz Chaves teve inspiração de DEUS a denominar A Igreja Pentecostal Caminho Verdade e Vida para realização de trabalho de evangelização e divulgação das Boas Novas a todas as criaturas dispostas a encontrar o SENHOR E SALVADOR JESUS CRISTO.
Pastor Gilberto Luiz Chaves é advogado militante com especialização em advocacia Previdenciária, formado desde 1985, exerce suas atividades profissionais seculares regularmente com escritório fixo há mais de 13 anos no mesmo local; foi batizado em 20 de junho de 1990 no Rio Jororó iniciando seu Ministério de Diaconato, quando em 2006 foi consagrado Evangelista pelo Pastor Oscar Luiz de Oliveira Presidente da Assembléia de DEUS Fonte de Amor donde concluiu então o Curso de bacharel em Teologia da Faculdade de Educação Teológica do Estado de São Paulo em 2007, iniciando o Ministério Pastoral.
A igreja Pentecostal Caminho, Verdade e Vida detém a valorosa contribuição do Pastor NELCY CHAVES, regularmente inscrito na ORDEM DOS MINSTROS DO BRASIL, homem de fé com mais de 20 anos de Ministério já Pastoreou nas Igrejas Missionária Cristã, Comunidade Ramá, Assembléia de DEUS em Gramacho e agora com mais de 80 anos de idade é colocado como ESTACA DE ORIENTAÇÃO USADO PELO PODEROSO DEUS.
A igreja Pentecostal Caminho, Verdade e Vida esta nos braços do SENHOR JESUS a esperar por todos os cansados e oprimidos para a divulgação das boas novas, pois, disse JESUS:
Mateus 11:28
Vinde a mim, todos os que estai cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.







Arquivo do blog